quarta-feira, 22 de outubro de 2008

SER REVOLUCIONÁRIO

Ser revolucionário hoje é opor-se aos poderes instituídos. Um revolucionário, uma pessoa de esquerda, não pode conviver com esse estado das coisas sem lutar contra essa ordem. E quando digo lutar não falo somente da luta armada, mas sim de mobilizar opiniões, semear ideias!
Ser revolucionário hoje significa ser contra a manipulação da verdade, contra toda essa grande aparelhagem de manipulação. Não posso acreditar que exista alguém de esquerda, alguém com senso de transformação que conviva com este estado de coisas.
Acredito também que não é possível aceitar a democracia formal. Acho que devemos aprender o que é exactamente a democracia. Um revolucionário tem de defender uma forma ou formas de democracia nas quais a participação do cidadão possa ir além de depositar o voto no buraco de uma urna cada vez que somos chamados, isso não é democracia.
Não é possível aceitar os genocídios do mundo actual, há que sentir na própria face o soco injusto dado contra outra pessoa, lutar efectivamente contra TODAS as injustiças.
Ao mesmo tempo, o revolucionário tem saber escutar, mas não podemos a agir sobre chavões ou lemas. Estes podem servir para mobilizar conjunturalmente, mas o revolucionário tem que estar sempre argumentando. Há que acreditar no ser humano, ter esperança que nele existem reservas que valem a pena. Apesar de todas as coisas monstruosas, apesar de todos esses genocídios que se cometem, apesar disso tudo, há que ter esperança no ser humano.
Ser revolucionário é ser solidário, tolerante e justo, é ver o mundo de forma diferente dos demais, é dar ao seu camarada aquilo que lhe sobra, é procurar a forma de construir um mundo diferente, nem que para tal dê a própria vida.
In - Miguel García Vivancos (Anarquista, revolucionário, artista, combatente na guerra civil espanhola e membro da Coluna Aguiluchos)

5 comentários:

mescalero disse...

as formas autoritárias de relacionamento e organização não se dão bem com a natureza humana, é isto que as pessoas têm que começar a entender

ser revolucionário é então a oposição aos poderes instituídos, a todos eles sem excepção, sejam de esquerda ou de direita, institucionais ou interpessoais, humanos ou não

cumps

O Guardião disse...

O mundo nunca será perfeito porque os homens o não são, mas sem participação cívica, sem a intervenção dos cidadãos, uns poucos ditarão as suas leis e sem nenhuma oposição pisarão os poucos que se lhes oponham.
Bom domingo.
Cumps

Pata Negra disse...

Ser revolucionário é ser Ferroadas

ferroadas disse...

pata negra

Para mim, todos aqueles que tombaram às mãos dos fascistas são heróis. A guerra civil espanhola foi, como sabes, a ante-câmera do terror nazi/fascista, por isso, nas palavras de Miguel Vivancos homenageio todos os que tombaram na carnificina franquista, o meu avô incluído.

Abraço

homicida revolucionario disse...

ser revolucionario, é defender sua origem com toda sua força, mesmo que pra isso tenha que ser julgado por leis inuteis, feitas por homens mais ainda, que se contentam com o que se tem.
somos todos oriundos de grandes revolucionarios, dentro de cada nos temos oque é preciso para se lutar pelo oque se quer, mais nem todos fazem isso.