terça-feira, 9 de setembro de 2008

CALA-TE RUI PEREIRA!



Mais um caso caricato (no mínimo!) aconteceu hoje em Portimão, pondo novamente em evidência o clima de segurança - neste caso falta dela - em que o país se encontra, e desmentindo categoricamente as afirmações de Rui Pereira (Ministro da Administração Interna) e de José Socrates (este não necessita de apresentações), sobre a presumível resposta eficaz dada pelo Governo à onda de criminalidade que se vive em Portugal.
De facto, 1 indivíduo entrar armado dentro de uma esquadra de polícia para apresentar uma denúncia, sacar da pistola e espetar 3 balázios no outro indivíduo com quem estava em divergência e que também lá se encontrava para apresentar a sua versão dos acontecimentos, é hilariante. Nem na Balada de Hill Street!
Paralelamente, mais a norte, em Carnaxide, surge outra cómica notícia. A esquadra local não tem 1 única viatura operacional, ou seja, se os bandidos decidirem assaltar a esquadra em vez de bombas da gasolina, supermercados, multibancos e tribunais, coisa que já não dá pica, muito menos se for naquela zona, visto que se tal cenário se pusesse os bófias nem da esquadra poderiam sair quanto mais perseguir os bandidos (a não ser que se tenham rendido ao conceito do verde e tenham adoptado bicicletes e trotinetes em troca dos charutos poluentes), teremos aqui uma reedição de um outro épico americano: O Assalto à 13º esquadra.
Convém no entanto recordar que não seria inédito em Portugal. Se bem se recordam, há uns meses atrás a 35º esquadra, em Moscavide, foi literalmente assaltada por um grupo de indivíduos que resgataram um outro que estaria detido para averiguações. Na altura, naquela esquadra, estava apenas 1 único polícia de serviço.
Penso que este Rui Pereira está a precisar é de 1 bom par de patins, juntamente, é claro, com o resto da confraria. Para dizer imbecilidades mais valia era estar bem caladinho.

4 comentários:

Jorge Borges disse...

A continuar este épico criminal, parece que Portugal bem que se poderia transformar numa pequena plataforma continental europeia do Crime!
Até me atrevo a sugerir que os portugueses honestos e pobrezinhos (um bocado como eu próprio me vejo) imigrem de sacola ao ombro para outro país europeu e por lá se estabeleçam, sendo bem pagos, mas larga e escandalosamente explorados...
Este país está a tornar-se numa boa fonte de inspiração para gangues e máfias, da droga, de tudo o que seja verdadeiramente horrível e impeça o cidadão comum de ver aqueles canais de televisão, como o AXN (que eu, pecador, confesso que vejo), onde se vivem histórias de verdadeiro TERROR!
O primeiro e restantes ministros do governo desta pequena plataforma do Crime podiam, constatando o facto evidente de que já não governam há bastante tempo, largar as respectivas pastas ministeriais e pegar na sacola acima mencionada, para irem trabalhar nas obras no Luxemburgo, ou na Suécia, ou até na Estónia.
Longe, bem longe de Portugal!

Um abraço

Meg disse...

Foi bom ter o Jorge Borges a anteceder-me no comentário. Como estou completamente de acordo com o que ele diz, limito-me a subscrever as suas palavras - à excepção, claro, do que respeita ao canal AXN(!)
De tanta malandragem, e da que ainda virá, apetece ir para bem longe.
Um abraço

O Guardião disse...

Que sacrilégio! Então não vivemos num país seguro?
Coitado do Rui Pereira, isto deve ser apenas uma cabala para denegrir a sua imagem...
Cumps, bastante inseguros

A. João Soares disse...

Os nossos brandos costumes, produziram uma lassidão, indiferença, egoísmo, auto-elogio bacoco, que levou aos piores resultados.
Os governantes saíram desta sociedade degradada, e não foram escolhidos por serem melhores. Não são uma elite, antes pelo contrário. São entes ambiciosos, apenas preocupados com o seu enriquecimento e a sua imagem e esquecem a sua missão de governantes de um povo que precisa de bons dirigentes.
A obra que vêm fazendo há anos deu os resultados que estão à vista. Mas como são míopes de espírito, não têm consciência do mal que estão a provocar ao povo. E, muito pior, são incapazes de reparar esse mal.
E a população, em coma induzido, deixa-se arrastar no conto do vigário e vota neles nos familiares e amigos deles e tudo vai continuando a descair para um abismo de onde será difícil e demorado sair.
O futuro previsível para Portugal será o alagamento nas lágrimas dos últimos residentes.
Abraço
João