quarta-feira, 19 de novembro de 2008

PELA REVOLUÇÃO POPULAR (3)


Vivemos num mundo de iluminados e arrogantes personagens, onde a palavra humildade, respeito pelo semelhante e boas maneiras, já não têm cabimento. Dos USA’s à Rússia, da China ao Bangladesh, da ilha da Madeira ao Reino Unido, passando pelo rectângulo peninsular, cada vez mais verifico que o meu semelhante, é afinal, um tipo sem escrúpulos, crápula, vigarista e mentiroso, felizmente ainda há gente que não cabe no rol. Os políticos, burgueses disfarçados de democratas, cabem que nem ginjas neste imenso mundo de defeituosos seres humanos, e, onde, o povo mais uma vez se prepara para lhes dar de barato os destinos do país e do mundo.

Sei que o ser humano não é perfeito, ninguém é perfeito, mas que diabo a “classe” política mundial e a portuguesa em particular sempre acompanhados dos inefáveis cães de guarda, são uns autênticos mentecaptos, onde a mediocridade é gritante por vezes a roçar a imbecilidade.

Não chegaria o espaço deste post para enumera-los a todos, mas não é só a “classe” política, os patrões (agora apelidados de empresários!!!!!) são, salvo aqui também raríssimas mas muito raríssimas excepções uma manada de imbecis novo-ricos, os quais têm por único objectivo o enriquecimento precoce e não o desenvolvimento do país, muito menos a tentativa de dignificar quem lhes paga as mordomias, estes são para aqueles uma cambada de analfabetos e ignorantes, uns pulhas que só servem para trabalhar.

O Mundo actual quer económica quer politicamente, é “comandado” por este bando de exploradores muito à imagem dos antigos senhores feudais, os quais eram donos de tudo até da nossa dignidade, os barcos negreiros de antanho andam aí, travestidos de precariedade e desemprego, só faltam as correntes, os aguilhões, a chibata, etc., porque carcereiros e bufos já os há. Os governos (todos os governos) convivem bem com estes tipo de coisas, financiam-nos e fecham os olhos às atrocidades, colaboram com o genocídio generalizado da nossa dignidade, da nossa vida, do nosso carácter.

A humanidade só conseguirá sobreviver, quando; patrões ou mandantes, governos ou estado e/ou outras quaisquer formas de opressão, forem banidas. Quando o Povo chamar a si o seu destino. Quando o Povo se capacitar que NINGÚEM pode governar em seu nome. Quando não forem mais necessários infelizes chico-espertos auto-intitulados defensores da plebe, mas não são mais do que uns infelizes déspotas que a troco de mordomias várias lá se vão entretendo a fazer política para os poderosos ou em seu nome. Acabada esta escumalha, a humanidade entrará numa nova era, surgirá então uma forma tão perfeita de auto-governação que jamais terá lugar o intolerante, o incompetente, o medíocre, o iluminado, o corrupto, o arrogante, o sabe tudo, o bufo, o censor, enfim, toda essa corja de eunucos bem falantes que actualmente por aí fedem.

6 comentários:

Marreta disse...

GRANDE POST, CARO FERROADAS!
Do melhor que tenho apreciado ultimamente na blogosfera. De facto, assim é, muitas vezes é difícil distinguir o político do empresário, pela simples razão que ambos os perfis se complementam, se unem num só no benefício próprio. Não haja dúvidas de que a política é "governada" pela economia e ambos em concluio governam a humanidade.

Saudações do Marreta.

mescalero disse...

a partir do momento em que uma pessoa põe as patas em cima de outra para a controlar, dominar, conduzir, liderar, estão criadas as condições para o desastre.

Miguel disse...

Está tudo aí, bom post.

Mariazinha disse...

Bom post sim senhor, camarada!

O que a mim mais irrita é ver o nosso povo desunido movido por querelas politicas como se de clubes de futebol se tratassem.
Enfim somos o que somos e temos o que merecemos...
Quando um povo não se consegue unir, algo vai mal,muito mal

mescalero disse...

seguindo o raciocínio da mariazinha, interessante seria perceber porque é que o povo não se consegue unir. quais as causas da dispersão de forças.

Anónimo disse...

Marx,Lenine não dizem nada a esta gente?Só o respeito pela Vª srª de fatma é q vos põe na ordem,pelos vistos.