quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Sócrates quer servir o País!!!



Segundo a notícia «José Sócrates assegura que executivo “está com vontade de servir o país”», na cerimónia de cortesia de apresentação de cumprimentos de Boas Festas pelo Governo ao Presidente da República, o PM disse: “todos os que aqui estão têm bem consciência de que esta oportunidade de servir o nosso país é uma oportunidade que é raras vezes dada a um dos nossos compatriotas, e por isso este Governo que aqui está, senhor Presidente, está com a firme vontade de servir Portugal e os portugueses”.

Qualquer pessoa atenta fica espantada com esta declaração. Com efeito, era de esperar que, quando os governantes juraram, solenemente, no acto de posse, que iam cumprir com lealdade as funções que lhes eram confiadas, estavam conscientes de que estavam a declarar «firme vontade de servir Portugal e os portugueses». Mas, pelos vistos, o Sr. Primeiro-ministro não estava certo disso e sentiu necessidade de o afirmar agora neste acto informal, sem o carácter de protocolo de Estado, constitucional, como era o momento da tomada de posse. Provavelmente, deve ter tomado consciência de que o povo não acreditara em tal juramento e ele, que não é estúpido, deve ter as suas razões para fazer essa leitura do sentimento popular.

Mas, francamente, não devia confessar que os governantes não se têm preocupado com os interesses de Portugal e dos portugueses, pois têm sido pagos para isso. E os seus acólitos não se têm comedido no abuso de atitudes arrogantes a tentar mostrar tal «interesse». Pelos vistos não o terão conseguido e agora o líder do grupo procura suprir tal deficiência.

E uma outra particularidade, é que se podia haver dúvidas na sinceridade das palavras ditas solenemente no juramento da tomada de posse, muito menos poderá haver certezas quanto a estas ditas, agora, em plena quadra natalícia em que as frases doces e amorosas, infelizmente, não passam de formalidades de bom tom, com uma duração tão efémera como as rabanadas ou o bolo-rei, que já nem tem prenda. Depois destas festas o povo volta a ter de encarar as dificuldades que os governos têm deixado agravar-se progressivamente, apesar de repetidas promessas cada vez mais balofas.

6 comentários:

A. João Soares disse...

Aos colaboradores deste espaço e a todos os visitantes

A blogosfera não se resume a troca de ideias e de opiniões, mas também é um veículo de comunicação e de troca de afectos e votos amigos de um futuro melhor, de bons auspícios para 2010. Não se pode passar esta fronteira entre os dois anos sem manifestarmos o nosso desejo, a nossa esperança que a área em que entramos nos traga mais felicidade, para o nosso pequeno grupo, para os nossos compatriotas e para todos os seres viventes. Felicidades para todo o Mundo, depois desta migração para 2010.
Abraços
João

Jorge Borges disse...

Caro amigo,

Faço minhas as suas palavras. Que o ano de 2010 traga consigo a possibilidade de criar novas alternativas a esta globalização neoliberal, desumana.

Feliz Ano Novo!

Miguel disse...

O povo não é estupido?

Epá, discordo!
O povo não só é estupido, como o é muito. No geral, claro!

Bom ano!

Luis disse...

Caríssimo Amigo João,
Como sempre um bom artigo de opinião como nos tens habituado!
Que 2010 seja o ano de viragem e que finalmente os (des)governantes e todos os outros responsáveis pela política em Portugal falem verdade e tragam algo de bom, que do mal já estamos fartos!
Um abraço amigo,
Luís

A. João Soares disse...

Caro Miguel,

Há quem diga que o povo é inteligente. Mas, se o é, não usa essa qualidade! É esperto, sagaz para os seus interesses imediatos e egoístas e desconfiado. Com essa complexidade de sentimentos acaba por ser levado por qualquer propagandista que lhe prometa a sorte grande.
E os políticos não têm hesitações a fazer promessas. Alguém disse que será muito estranho que haja políticos que se convençam de que alguém acredita naquilo que eles dizem!
Mas o nosso povo, na generalidade parece acreditar nas fantasias deles!!

Um abraço
João

A. João Soares disse...

Caro Luís,

Oxalá os teus desejos venham a ser realidade. Ma duvido...

Um abraço
João